Serviço de Gastrenterologia continua a ser reconhecido pelo trabalho na utilização da cápsula endoscópica

  • Publicado em Sociedade
Hospital de Guimarães

O trabalho desenvolvido pelo Serviço de Gastrenterologia do Hospital da Senhora da Oliveira Guimarães na utilização da cápsula endoscópica continua a ser reconhecido nacional e internacionalmente, nomeadamente quando este exame é utilizado como meio do diagnóstico na Doença de Crohn. O Serviço acabou de participar, através do seu Diretor, José Cotter, num grande estudo de metanálise sobre o problema da retenção da cápsula endoscópica nesta doença. Neste estudo participaram as maiores autoridades mundiais na utilização da cápsula e o mesmo foi recentemente publicado na conceituada revista científica internacional "IBD: Inflammatory Bowel Diseases", da Universidade de Oxford.

A enteroscopia por cápsula endoscópica é um método de diagnóstico que consiste na utilização de uma pequena cápsula com uma câmara incorporada que vai captando imagens do tubo digestivo desde que é deglutida até ser expelida. À medida que a cápsula progride ao longo do tubo digestivo, a câmara vai tirando milhares de fotografias, chegando ao incrível número de 35/segundo, que são transmitidas para um pequeno gravador que o doente tem na cintura. A cápsula permite visualizar o intestino delgado, localizado entre o estômago e o cólon, que constitui um segmento do tubo digestivo dificilmente acessível pelos métodos endoscópicos convencionais. A principal complicação desta técnica é a eventual retenção da cápsula no tubo digestivo.

O estudo publicado na IBD (designado de "Capsule Retention in Crohn's Disease: A Meta-analysis") abordou precisamente esta última questão no âmbito da Doença de Crohn, ou seja, o principal fator de limitação na maior utilização da cápsula é o risco potencial de retenção. O mesmo concluiu que a retenção da cápsula endoscópica para diagnóstico desta doença foi menor do que em estudos anteriores, é muito rara, indicando também que a retenção é menor em crianças do que em adultos. Por isto, as conclusões foram muito positivas no sentido de que este meio de diagnóstico deve ser utilizado, trazendo cada vez maior valor no diagnóstico da Doença de Crohn.

A propósito da publicação deste trabalho, José Cotter refere que "este grande estudo, centralizado pela Clinica Mayo, uma das principais instituições hospitalares dos Estados Unidos da América, enche-nos de orgulho pelo facto de termos sido convidados a nele participar, como reconhecimento a nível mundial da nossa atividade nesta área, a par de um número reduzido de outros serviços europeus e americanos. Por outro lado, as conclusões obtidas vão no sentido do que temos vindo a colocar em prática no nosso quotidiano, confirmando a ideia de que temos estado no caminho certo na abordagem dos nossos doentes".

A Doença de Crohn é uma doença inflamatória do intestino com uma prevalência maior nos países desenvolvidos, com incidência crescente na Europa. Pensa-se que está relacionada com o estilo de vida nestas sociedades, sendo que fatores exteriores provocam alterações no sistema imunitário originando a doença.