Câmara de Guimarães atribui os primeiros terrenos do Banco de Terras

  • Publicado em Sociedade
No âmbito da Incubadora de Base Rural

Duas explorações agrícolas constituídas por parcelas de terreno inscritas no Banco de Terras de Guimarães foram entregues a dois empreendedores vimaranenses, no âmbito da Incubadora de Base Rural, projeto desenvolvido pela Câmara Municipal.

Marta Carvalho vai promover a produção de cogumelos em modo biológico, no terreno com 2,79 há, situado na União de Freguesias de Atães e Rendufe. Miguel Figueiredo pretende desenvolver um projeto de Quinta Pedagógica num terreno com 1,27ha, situado na União de Freguesias de Serzedo e Calvos.

Os contratos entram em vigor a 18 de janeiro de 2019, válido por 15 anos, com um custo de renda a variar os 600 e 750 euros ha/ano.

A Vereadora do Ambiente, Sofia Ferreira, destacou o "sucesso da iniciativa" perante a vontade demonstrada pelos empreendedores na implementação de negócios de âmbito rural. "Tivemos estes dois candidatos que reuniram as condições e demonstraram vontade em proceder ao arrendamento destas duas parcelas de terreno. Mas temos mais produtores que estão em fase de implementação de negócio, porém não necessitam de terrenos porque já têm ou até porque há negócios nesta área que não necessitam de parcelas de terreno", explicou. 

Sofia Ferreira sublinhou que "este caminho é para continuar" lembrando que até 18 de dezembro está a decorrer as candidaturas para a terceira fase do programa de incubação da IBR Guimarães, denominada "Networking e Cooperação", fase de apoio à transformação de Planos de Negócio em Negócio, a qual tem disponível um sistema de incentivos, mediante candidatura, com apoio financeiro até 750 euros/mês para apoiar os candidatos durante os seis meses desta fase, conforme as condições descritas no Aviso de Abertura para Candidaturas" (https://www.cm-guimaraes.pt/cmguimaraes/uploads/writer_file/document/6940/aviso_retificado_nc.pdf).

O Banco de Terras de Guimarães é um instrumento de transformação da estrutura fundiária funcional e pioneiro em Portugal que permite, por um lado, combater a desertificação e desordenamento do solo e da paisagem de Guimarães e, por outro lado, gerar rentabilidade a proprietários de terrenos abandonados ou sem utilização, arrendando-os a novos empresários que deles necessitem para criar riqueza e emprego. A Câmara Municipal de Guimarães atua como promotora e fiel depositária de ambos os players, proprietários e empreendedores, sendo esta sessão pública de atribuição de terrenos o culminar da fase de lançamento do Banco de Terras de Guimarães.

A Incubadora de Base Rural de Guimarães é um serviço de apoio ao empreendedorismo qualificado e criativo nas áreas da agricultura, agroindústria, serviços conexos e tecnologia aplicada ao meio rural, entre outros, que visa promover o crescimento económico de forma equilibrada em todas as freguesias do concelho, o desenvolvimento empresarial, a inclusão social, a sustentabilidade ambiental e o bom uso do solo no concelho de Guimarães.