Smart City 360° Summit 2018. Conectividade fundamental para o desenvolvimento do território e das cidades

  • Publicado em Sociedade
Evento decorre até esta sexta-feira no Centro Cultural Vila Flor

Três dias de apresentações, englobando municípios, académicos e privados. É desta forma que o futuro das Smart Cities está a ser delineado em Guimarães, através da IV edição da Smart City 360° Summit 2018, organizada pelo Município de Guimarães, Universidade do Minho e a DigitalSign, no Centro Cultural Vila Flor, com a representação de 25 países.

O Vereador da Câmara Municipal, Ricardo Costa, salientou que Guimarães está já a preparar o futuro ao nível da “mobilidade, da energia e tecnologia de informação”, sendo já reconhecida pela União Europeia como Digital City. O autarca lembra os desafios de futuro como uma inevitabilidade. “É importante estarmos atentos ao processo da digitalização, pois, o que não estiver no nosso telemóvel daqui a uns anos é como se não existisse. Não podemos evitar este desenvolvimento, assim como há uns 40 anos era importante para as pessoas terem eletricidade em casa, hoje em dia, torna-se fundamental ter conectividade com o território”.

Ricardo Costa alertou, em declarações à comunicação social, que “a Smart City não é uma materialização imediata, sendo que o desafio de Guimarães é elevado por ser uma Cidade Património da Humanidade e deve dar resposta com muito cuidado aos desafios de futuro. Os desafios num Centro Histórico, do ponto de vista da mobilidade e da energia, tornam-se mais complexos e daí esta partilha de conhecimento para continuar a inovar Guimarães”, considerou.

Através da Divisão de Sistemas Inteligentes “está a ser desenvolvido um projeto para a ciclovia onde registará as pessoas que passam mais vezes na ciclovia a fim de terem descontos em alguns estabelecimentos de comércio, sendo uma forma de incentivar à mobilidade e ao desporto, potenciando ainda o comércio e a economia do território”, referiu o Vereador da Câmara Municipal de Guimarães.

O Secretário de Estado, José Mendes, centrou as atenções na área da mobilidade. “Há um objetivo incontornável que é descarbonizar e passar para transportes que gerem menos emissões de poluição”, salientou. José Mendes apontou que o Governo já desenvolveu políticas nesse sentido. “Tudo que se passa na mobilidade elétrica nasceu de um investimento central do Governo, a rede de carregamento surgiu do Estado Central e os apoios e incentivos à aquisição de veículos elétricos são disponibilizados pelos Estado. No orçamento de Estado de 2019 está contemplado ainda o apoio a bicicletas elétricas”, referiu o Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, que marcou presença na sessão de abertura da Smart City 360° Summit 2018.

Depois de dois dias dedicados às vertentes de negócio, governo e tecnologias em geral, esta sexta-feira o programa é dedicado à inovação, essencialmente preenchido com demonstrações e discussão de casos de estudo.