Contextile 2018. Bienal de Arte Têxtil Contemporânea arranca este sábado em Guimarães

  • Publicado em Lazer
Evento decorrerá em diferentes espaços da Cidade-Berço

A edição 2018 da Contextile – Bienal de Arte Têxtil Contemporânea arranca este sábado, 01 de setembro, e decorrerá até 20 de outubro, reunindo artistas e obras de todo o mundo, em diferentes espaços de Guimarães.

O evento, que contará com a participação de mais de 200 artistas internacionais e nacionais, conta com o apoio do Município e a DGArtes, bem como da ATP e da Associação Seletiva Moda, que atribuem o prémio Aquisição. 

O programa da Contextile 2018 é composto por diversas atividades, sendo possível dividir a atenção pela exposição internacional com mais de 50 artistas selecionados após concurso, exposições de artistas, países convidados, residências artísticas, reflexão e debate nas TextileTalks, assim como os workshops «Experimentar o Têxtil».

Para além disso, a Bienal convidou Ann Hamilton, artista norte-americana sobejamente conhecida no contexto da arte contemporânea internacional, que realizará uma intervenção na cidade de Guimarães em grande escala, expressando a interligação da arte contemporânea e o têxtil e com a sua envolvente de território e espaço.

Em 2018 a Bienal centra-se no conceito de (In)Orgânico, transversal a todas as criações artísticas e conteúdos programáticos. “O orgânico é compreendido como algo que está vivo, arraigado e resulta do acumular de camadas… Isto poderá relacionar a intervenção como processo – entrelaçando e deslaçando – sendo o órgão tão fundamental para o corpo como a comunidade é um elemento essencial na sustentabilidade de um território”.

Envolver e incitar a cooperação entre o património e indústria têxtil e a criação artística contemporânea é o objetivo da Contextile, pretendendo demarcar Guimarães como, Território de Cultura Têxtil.

[ Artigo originalmente publicado no dia 29.08.2018 e atualizado este sábado, 01.09.2018 ]