Vitória. Miguel Silva suspenso preventivamente (20 dias) e alvo de processo disciplinar

  • Publicado em Desporto
Jogo da Taça de Portugal vale ainda várias penalizações para os dois clubes

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol teve mão pesada para com os incidentes registados após o apito final do jogo entre Boavista e Vitória, relativo aos dezasseis avos de final da Taça de Portugal.

O guarda-redes do Vitória, João Miguel Silva, foi suspenso de forma preventiva, por 20 dias, sendo alvo de um processo disciplinar, enquanto três jogadores axadrezados foram penalizados com 4 jogos e dois funcionários suspensos por um mês.

O jovem guardião vitoriano é acusado de ter alegadamente agredido um funcionário do Boavista, já depois de ter sido alvo de várias agressões, e de acordo com os regulamentos poderá ser castigado com uma pena de dois meses a dois anos de suspensão.

Além da suspensão ao guarda-redes, o Vitória terá que pagar um total de 2.652 euros, referente a três multas aplicadas pelo órgão disciplinar, Ruben Ferreira foi autuado em 96 euros, por ter visto o quarto amarelo, Hurtado, Alexandre Silva e Rafael Miranda receberam uma repreensão e multa de 77 euros, por terem visto o terceiro amarelo, ao passo que Hernâni foi autuado em 39 euros, por ter visto o primeiro amarelo.

Já do lado dos axadrezados, Idris, Bukia e Henrique foram suspensos por 4 jogos e multados em 765 euros. Paulo Vilela, roupeiro, e Nuno Lima, enfermeiro, foram suspensos por um mês, e pagam uma multa de 306 euros, enquanto o adjunto Alfredo Castro foi castigado com uma multa de 765 euros. Já o clube terá que pagar um total de 2.346 euros, relativo a duas multas aplicadas pelo Conselho de Disciplina.