Ciclo de programação «Terra» revela a maturidade cultural em Guimarães

  • Publicado em Cultura

Estão definidos três concertos, entre julho e novembro, no âmbito do ciclo de programação "Terra", numa organização da Capivara Azul – Associação Cultural, com o apoio do Município de Guimarães e da Direção Regional de Cultura do Norte, e co-produção da cooperativa A Oficina, entidade gestora do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

"Pretendemos uma reflexão coletiva sobre o momento político, sendo a arte, a cultura e a música fatores agregadores e de união", explicou a presidente da Capivara Azul, Luísa Alvão. O programa contempla três concertos, sendo o primeiro de Aline Frazão agendado para 20 de julho, seguindo-se Otim Alpha no dia 28 de setembro e Zulu Zulu no dia 23 de novembro, todos com início às 21h30, na Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG).

A vice-presidente da Câmara de Guimarães, responsável pelo pelouro da Cultura, aponta que esta iniciativa "é uma prova da maturidade cultural de Guimarães", onde realça que "tudo é decidido no contacto com outras culturas e a cultura tem o bem maior de fazer de nós mais flexíveis, com a sua intencionalidade política". Adelina Pinto realçou, ainda, a escolha do CIAJG como "um valor acrescentado para o museu e reforçar a posição de Guimarães no mapa cultural".

Em representação d'A Oficina, João Pedro Vaz, manifestou a "satisfação" pela "diversidade cultural" resultante dos espaços como o CIAJG ao "inspirar novas iniciativas e projetar dinâmicas comuns".

O preço dos concertos varia entre os 5 (c/ desconto) e os 10 euros e existe um passe geral para os três concertos do ciclo "Terra" à venda pelo preço de 20 euros. Este passe, assim como os bilhetes para cada um dos concertos, estão à venda nas bilheteiras d'A Oficina e na Bilheteira On-line.

Os detentores de bilhetes para os concertos do ciclo "Terra" têm acesso gratuito às exposições do CIAJG durante todo o dia de cada um dos concertos.