Estratégia da Marca de Turismo de Guimarães passará por mensagem que desperte emoção

  • Publicado em Concelho
Segunda fase do estudo arranca já esta terça-feira

A Câmara Municipal de Guimarães está apostada em diversificar a oferta turística, minimizar a sazonalidade da procura turística, bem como fixar o turista no concelho. Estas são as linhas principais do estudo sobre a Marca de Turismo de Guimarães, cujo diagnóstico da primeira fase foi apresentado esta segunda-feira, 12 de novembro, destacando as potencialidades do território e, simultaneamente, conferindo a necessidade de criar uma marca que desperte emoção para atrair turistas do mercado internacional.

A análise do estudo, a cargo da Bloom Consulting, mereceu elogios dos presentes nesta sessão. Domingos Bragança adiantou, entretanto, "agora vamos ver o que se pode acrescentar a Guimarães no sentido de atrair turismo de todo o mundo, através de uma experiência única. É importante mostrar às pessoas que visitam Guimarães tenham uma experiência geradora de emoções. Isso é algo que podemos acrescentar e sem perder a autenticidade", salientou o Presidente da Câmara Municipal.

Domingos Bragança considera que as políticas desenvolvidas pelo Município visam "criar as melhores condições possíveis para os vimaranenses como prioridade" e, em geral, "aproveitar aquilo que temos de melhor para mostrar a quem nos visita". O edil reforçou ainda a aposta na mobilidade ciclável e sustentabilidade, apontando as questões da ecologia para um "território diferenciador", mas "sem nunca perder a sua identidade histórica e referência ao património", apontou.  

"O turismo mexe com todas as áreas e esperamos contar com a população, responsáveis da hotelaria e restauração, de ensino e entidades culturais, no sentido de despertar uma procura mundial através da criação de um conceito chave para a marca que queremos para Guimarães".

O diretor geral da Bloom Consulting, Filipe Roquete, destacou a entrada na segunda fase do estudo. "Não vamos inventar uma nova cidade. Estará junta uma equipa para definir um conceito base e pensar em projetos a serem implementados. Vamos tentar promover o que existe, através de novas formas de envolvimentos da população e de comunicar, mas aproveitar o que existe como base", salientou.

Na sequência do diagnóstico efetuado, Filipe Roquete sublinhou que Guimarães "é um território bem estabelecido e com muito potencial do ponto de vista da atração de turismo", referindo que há uma "mensagem muito clara e as pessoas reconhecem Guimarães através dessa mensagem", numa alusão ao Berço da Nação. "Esta estratégia visa ampliar a base de conhecimento, sendo que não há muito a fazer a nível nacional, mas principalmente a nível internacional. Não existe um alinhamento muito grande sobre perceções internas e externas sendo certo que esta mensagem Berço da Nação pode não ser muito interessante para alguns mercados alvos externos, pelo menos ao ponto de fazer com que as pessoas venham ao território. É necessário uma mensagem emotiva ao ponto de ampliar um pouco mais", referiu.

A segunda fase do estudo arranca já esta terça-feira com o desenvolvimento da estratégia de marca do território de Guimarães.