«Opus» assinala início da rede de dança emergente Aerowaves em Guimarães

  • Publicado em Atualidade
Espetáculo será apresentado este sábado, no Centro Cultural Vila Flor

«Opus», de Christos Papadopoulos, é o nome do espetáculo que sobe ao palco do Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor este sábado, às 21:30 horas. Este é o primeiro espetáculo apresentado no CCVF no âmbito da rede de dança emergente Aerowaves, que A Oficina passou a integrar este ano.

Numa simbiose perfeita entre dança e música, quatro bailarinos interpretam «A Arte da Fuga», de Bach, numa peça fascinante e profundamente absorvente criada pelo grego Christos Papadopoulos, uma estrela em ascensão da dança contemporânea europeia.

 «Opus» é apresentado no Centro Cultural Vila Flor no âmbito da Aerowaves, uma rede de parceiros de 33 países, na qual Portugal se faz representar pel’A Oficina, de Guimarães, e pelo Espaço do Tempo, estrutura transdisciplinar baseada em Montemor-o-Novo, desenvolvendo ambas o apoio a inúmeros criadores nacionais e internacionais. 

Aerowaves é uma plataforma europeia que pesquisa e mapeia o trabalho de artistas emergentes na área da dança, promovendo oportunidades de apresentação além-fronteiras para coreógrafos promissores mostrarem os seus novos trabalhos a novos públicos. Todos os anos, a Aerowaves lança um «open call», seleciona 20 dos mais promissores coreógrafos na Europa e promove o seu trabalho ao longo de um ano, criando cerca de 100 oportunidades de apresentação, que são garantidas pelos seus parceiros. 

Entre os portugueses já captados por esta rede encontram-se nomes como Marco da Silva Ferreira, Flora Detraz e as duplas Jonas & Lander, Sofia Dias & Vítor Roriz e Teresa Silva & Filipe Pereira. Para além de organizar anualmente uma mostra de talentos emergentes – o festival Spring Forward –, contribui ainda para o desenvolvimento da qualidade da escrita e da redação de crítica de dança através do seu programa Springback Academy e da Springback Magazine. Desde 2017, a Aerowaves é apoiada pela União Europeia através de um prémio atribuído por um período de quatro anos às Plataformas da Europa Criativa.