Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura acolhe exposição coletiva até 27 de julho

  • Publicado em Atualidade
«Trees Outside the Academy #3»

«Trees Outside the Academy #3» é o nome da exposição que está patente, até 27 de julho, no Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura.

A mostra que se repete em 2019, tal como em 2014 e 2016, está associada a práticas de grupo coletivas, por vezes mas nem sempre colaborativas, mas com uma ramificação comum, agrupada mais ou menos formalmente, resultando daí uma prática característica e de confronto, não deixando de transmitir estéticas claramente individuais.

Partindo de realidades paralelas, nestes colectivos são indissociáveis a música, fotografia, pintura, desenho, cinema, vídeo, teatro, performance, instalação, design e crítica que coabitam no mesmo espaço e numa prática comum.

«Trees Outside the Academy» tenta de certo modo referenciar uma das estruturas históricas mais emblemáticas de práticas artísticas coletivas, criada na cidade de Nova Iorque, a Fluxhouse do Nº 80 Wooster Street, a primeira cooperativa de artistas iniciadas por George Maciunas, estrutura que funcionava como um foco atractor da vanguarda artística dos anos 60, onde estava localizada a Cinemateca de Jonas Mekas, e um espaço que albergava happenings, film screenings, dança, teatro, performances, concertos e exposições. 

Centenas de artistas tais como Trisha Brown, Richard Foreman, Allen Ginsberg, Philip Glass, John Lennon, Hermann Nitsch, Yoko Ono, Nam June Paik, and Andy Warhol mostraram o seu trabalho dentro ou em torno do edifício. Em 1967 George Maciunas plantou ilegalmente à porta do edifício duas árvores (Ailanthus) que se mantiveram durante 46 anos até terem sido cortadas em 2013. Estas árvores acompanharam a evolução de certas práticas artísticas experimentais e a ascenção e “queda” de uma zona industrial degradada da cidade de Nova Iorque que nasce com os artistas e que depois os expulsa convenientemente.