O inglês está a deixar de ser a língua padrão da música global

  • Publicado em Atualidade

Em 2018, oito das dez canções mais ouvidas no YouTube eram cantadas em espanhol. E a maior boy band canta em coreano e esgota salas no mundo inteiro. Uma nova realidade, assente no streaming e nas transformações de um mundo em rede (social).

É a língua franca mundial, falada fluentemente ou de forma utilitária por um quarto da população do planeta. É a língua que contamina todas as outras, introduzindo os seus vocábulos no discurso corrente e impondo os seus termos técnicos como factor distintivo de uma ideia de sofisticação e cosmopolitismo – veja-se como o mundo empresarial prefere budgets, targets e afins às palavras que o português tem disponíveis para dizer o mesmo.

O inglês é dominante mundo fora como nenhuma outra língua. Na música, nada disto é novidade. Desde há pelo menos seis décadas, ou seja, desde o advento do rock’n’roll e, principalmente, após o furacão Beatles, que o mundo anglo-saxónico é o centro do universo musical. Algo, porém, parece estar a mudar.