Taça Davis. João Sousa representa Portugal na eliminatória de acesso ao Grupo Mundial no Cazaquistão

  • Publicado em Atualidade
Jogos serão disputados na sexta-feira e no sábado

A seleção portuguesa de ténis vai jogar com o Cazaquistão o acesso ao Grupo Mundial da Taça Davis, numa eliminatória que terá lugar no National Tennis Center, em Astana, em 01 e 02 de fevereiro.

Pela terceira vez na história do ténis nacional, depois de 1994 e 2017, Portugal vai tentar aceder ao Grupo Mundial e, de acordo com o novo formato da prova, garantir um lugar entre as 18 nações que vão disputar a Final da Taça Davis, entre os dias 18 e 24 de novembro, em Madrid.

Durante um fim de semana em que 24 seleções disputam 12 vagas para a fase final, Portugal e Cazaquistão vão defrontar-se pela primeira vez na história e em piso rápido, a superfície escolhida pela equipa anfitriã.

Para representar a equipa portuguesa, o capitão estreante Rui Machado convocou João Sousa (39º ATP), Pedro Sousa (101º), João Domingues (213º) e Gastão Elias (246º), sendo a formação cazaque constituída por Mikhail Kukushkin (55.º), Alexander Bublik (171º), Aleksandr Nedovyesov (191º), Denis Yevgeyev (303º em pares) e Timur Khabibulin (154º em pares), capitaneados por Dias Doskarayev.

Além de jogar fora, Portugal vai tentar ainda contrariar o teórico favoritismo do Cazaquistão, que já disputou cinco vezes os quartos de final da Taça Davis e detém um registo de 10 vitórias nas últimas 11 eliminatórias disputadas em casa.

O confronto de acesso ao Grupo Mundial começa a discutir-se na sexta-feira, com dois encontros de singulares, seguindo, no sábado, um encontro de pares e outros dois de singulares, sendo todos os embates jogados à melhor de três «sets». O sorteio da eliminatória terá lugar na quinta-feira, 31 de janeiro, às 11:45 em Astana.

As 12 equipas vencedoras da fase de qualificação vão juntar-se à Croácia, França, Espanha e Estadpos Unidos, semifinalistas em 2018, e Argentina e Reino Unido, que receberam um 'wild card' para a Final da Taça Davis. As nações derrotadas voltam a competir no Grupo I, da respetiva Zona Geográfica, em 2019.