Recolha de ares condicionados para reciclagem está longe da meta para Portugal

  • Publicado em Atualidade

A recolha de equipamentos de ar condicionado para reciclar está muito longe da meta estabelecida para o ano que vem, afirmou hoje a associação ambientalista ZERO, que alerta para a poluição por fluidos refrigerantes.

Estes fluidos estão dentro de equipamentos de refrigeração que são enviados "para empresas de sucata que não fazem a sua remoção", deixando-os libertar gases com efeito de estufa e nocivos para a camada de ozono.

A ZERO contou mais de 2.000 equipamentos enviados para reciclagem em 2017 e concluiu que é menos de 1% dos quase 260 mil vendidos entre 2014 e 2016.

"Esta situação é muito grave em termos ambientais", afirma a ZERO, que responsabiliza "as entidades gestoras responsáveis pelo financiamento da sua recolha".

A meta estabelecida para Portugal é de 65% de equipamentos recolhidos em 2019, assinala a ZERO que vai pedir esclarecimentos ao Ministério do Ambiente e da Transição Enérgica.

Em comunicado, a associação ambientalista refere que falta aos técnicos que instalam e reparam ares condicionados "apoio dessas entidades gestoras para encaminharem" os aparelhos que já não funcionam para reciclagem.

Em vez disso, vão levá-los à sucata, onde lhes pagam pelo metal, mas isso significa que os refrigerantes não são recolhidos e são libertados para a atmosfera.

"Dos 197.530 quilos de fluidos que estavam contidos nesses equipamentos, apenas foram recuperados 8,7% (17.260 quilos), entre os que são recolhidos nas empresas de tratamento e os recolhidos pelos técnicos responsáveis pela manutenção/instalação desses equipamentos, o que significa que mais de 90% desses gases foram libertados para a atmosfera", afirma a ZERO.