Set.Up Guimarães pretende criar sinergias e fomentar o empreendedorismo na região

  • Publicado em Atualidade
"Open Day" de apresentação de "Superincubadora"

A Câmara Municipal de Guimarães, através da Divisão de Desenvolvimento Económico, apresentou, na Plataforma das Artes e da Criatividade, o novo projeto Set.Up Guimarães, num "Open Day" que ocupou todo o dia desta quarta-feira, 28 de fevereiro, com a manhã dirigida à imprensa e a tarde ao público em geral. Set.Up Guimarães é um projeto que visa a criação de sinergias entre empresas incubadas, com o objetivo de fomentar três grandes áreas: a criativa, a tecnológica e a industrial. 

Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal, destacou a ideia de que só através da transferência de conhecimento dos centros de investigação para as empresas é que é possível estar na vanguarda tecnológica e, assim, acrescentar valor ao tecido empresarial do Concelho de Guimarães. O edil manifestou o desejo de que todas empresas incubadas não sejam apenas projetos de curta duração, mas que venham a singrar no mundo empresarial através da inovação e criatividade, criando valor acrescentado nos seus produtos, e contribuindo para que o Concelho de Guimarães se afirme como um território onde as questões do desenvolvimento económico se liguem, cada vez mais, à chamada "Indústria 4.0". "As novas tecnologias de base digital, a biotecnologia proporcionada pelos avanços na área da saúde e da medicina regenerativa, a inteligência artificial, entre outros, são premissas que deverão estar numa força industrial com visão de futuro, trazendo riqueza e emprego qualificado à região", concluiu Domingos Bragança.

À intervenção do Presidente da Câmara seguiu-se a apresentação do Set.Up Guimarães, por parte do vereador do Desenvolvimento Económico, Ricardo Costa, que descreveu esta nova plataforma de incubação como um "hub" autárquico de promoção da transferência de conhecimento entre os centros de investigação e as empresas. Fazem parte deste projeto as incubadoras LabPac (área criativa), a funcionar na Plataforma das Artes e da Criatividade, TecPark (área tecnológica), em funcionamento no AvePark, e a futura PevFactory (área industrial), esta última pretendendo funcionar como polo de atração de empresas já existentes, em fase madura, que pretendam inovar para continuar o seu crescimento, e que ocupará 5.000 m2 em Pevidém. "A inovação deve ser introduzida numa fase em que as empresas se encontram estáveis financeiramente, para que continuem o seu crescimento, e não quando já estão em declínio", frisou Ricardo Costa. A investigação e o desenvolvimento são a chave para a capacitação do setor industrial em Guimarães, sendo este projeto uma forma de alavancagem do novo posicionamento.

Recorde-se que as 46 empresas que detém o selo "Guimarães Marca" registaram 200 milhões de euros de saldo positivo no que diz respeito à balança comercial, sendo um dos motivos pelos quais se depositam expectativas legítimas neste novo projeto, que pode ser consultado em <http://setupguimaraes.com>.