«Mostly Other People Do The Killing» atuam este sábado no «Guimarães Jazz»

  • Publicado em Atualidade
Às 21:30 horas, no Grande Auditório do CCVF

O Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor recebe este sábado, pelas 21:30 horas, a atuação do grupo «Mostly Other People Do The Killing», no âmbito da edição 2017 do «Guimarães Jazz».

Fundada em 2003 pelo contrabaixista e compositor Moppa Elliott, a banda «Mostly Other People Do The Killing» tem vindo a afirmar-se progressivamente como um dos mais desafiantes projetos da cena jazzística contemporânea.

Originalmente um quarteto, desta formação fez parte, desde o seu início, o multifacetado trompetista Peter Evans, que, no entanto, abandonou a banda em 2014. Esta mudança conduziu a uma reconversão do quarteto em septeto após a integração de quatro novos instrumentistas, entre os quais o Steve Bernstein, que fez parte dos Lounge Lizards, a banda seminal de John Lurie cuja abordagem pós-moderna do jazz constitui uma das grandes inspirações da banda nova-iorquina, que se apresenta pela primeira vez em Portugal neste seu novo formato.

No «Guimarães Jazz», os «Mostly Other People Do The Killing», coletivo de instrumentistas sofisticados e de notáveis recursos técnicos, formado por Moppa Elliott, Jon Irabagon, Kevin Shea e Steven Bernstein, pelo pianista Ron Stabinsky, o guitarrista Brandon Seabrook e o trombonista Dave Taylor, irão apresentar o seu mais recente álbum, «Loafer`s Hollow», editado em fevereiro deste ano.

Neste trabalho, Moppa Elliott, o compositor principal da banda nova-iorquina, prossegue a sua exploração de uma música simultaneamente angular e fluida, composta de sistemas multi-referenciais, inspirados nas técnicas literárias dos escritores a quem algumas das peças são dedicadas (entre eles, Thomas Pynchon e David Foster Wallace), usando-os de modo a permitir uma livre digressão por diversos idiomas e estilos jazzísticos sem que a música não soe nunca formulaica ou formalista, mas antes inovadora e desafiante.