Associação ambientalista Quercus saúda entrada em vigor de convenção sobre mercúrio

  • Publicado em Atualidade

A associação ambientalista Quercus congratulou-se com a entrada em vigor da convenção que pretende restringir a contaminação por mercúrio a nível mundial, o que considera uma “vitória global”.

A convenção de Minamata foi assinada e adotada em 2013 por 128 países e em maio passado foi validada formalmente após a ratificação por 50 países. Portugal ainda não é signatário do documento.

Minamata é o primeiro acordo ambiental multilateral da última década, diz a Quercus em comunicado, explicando que faz parte do “Grupo de Trabalho Mercúrio Zero” (organização internacional de 95 entidades de mais de 50 países), que há mais de uma década fala da necessidade de criar um acordo global como o que entrou em vigor.

Lembra a Quercus no documento que o tratado “contem severas obrigações para os diferentes parceiros banirem a abertura de novas minas de exploração de mercúrio e encerrarem as minas em funcionamento”.

E inclui proibições de muitos produtos comuns e processos onde se usa o mercúrio, além de procurar reduzir o comércio e a redução da exposição da população, além de promover o armazenamento seguro da neurotoxina.

A Quercus lembra ainda que a primeira conferência entre os diferentes parceiros será entre 24 e 29 de setembro em Genebra, na Suíça, onde são esperados mais de 1.000 delegados e perto de 50 ministros.

Também a associação ambientalista Zero já se tinha referido à convenção, apelando para que o Governo português a ratifique “rapidamente”.

O mercúrio é um metal líquido utilizado em instrumentos de medidas e em lâmpadas. Uma intoxicação por mercúrio pode levar à morte.