Número de pulseiras da PSP para identificar crianças perdidas duplicou este ano

  • Publicado em Atualidade

O programa da PSP «Estou Aqui», para ajudar a identificar crianças que estejam perdidas dos pais, tinha mais de 51 mil pulseiras ativas no final de agosto, o dobro do número registado no ano passado, informou a entidade.

"Desde junho até ao final de agosto registamos 73.838 pedidos e contamos com 51.648 pulseiras ativas, sendo que 77 foram dadas como extraviadas", resumiu a Polícia de Segurança Pública, acerca do programa que abrange crianças entre os dois e os nove anos.

Segundo aquela força policial, "em 2014 foram distribuídas 25 mil pulseiras, enquanto este ano, até ao final de agosto, foram ativadas mais de 51 mil", o que superou as expetativas iniciais para o projeto.

Para beneficiar desta forma de encontrar crianças que se perderam dos adultos, os pais fazem um registo na PSP e depois vão buscar à esquadra escolhida a pulseira, à qual foi atribuído um código, colocando-a no braço dos mais novos.

Em caso de desaparecimento, a pulseira permite identificar a criança e contactar os pais, sendo um instrumento que pode ser utilizado também pelos turistas de visita a Portugal. O maior número de pedidos de pulseiras é feito para crianças com cinco anos, embora a diferença entre as várias faixas etárias não seja "muito significativa", relatou a PSP.

O programa recebeu inscrições de todo o país, mas Lisboa é o distrito com mais pulseiras atribuídas, com quase 40% do total, seguido do Porto com 15,4%, Setúbal com 12% e Braga com 7,1%.

Os pais podem fazer o registo prévio das crianças no site do programa (https://estouaqui.mai.gov.pt/Pages/Home.htm.) e as pulseiras ficam disponíveis para serem entregues depois do sétimo até ao 25.º dia, sendo o pedido cancelado caso não sejam levantadas nesse período, segundo informação da PSP.

Cada pulseira "é única", sendo atribuída a cada uma um número diferente que, apesar de ser percetível, só pode ser lido pela PSP, através da base de dados. Em caso de desaparecimento da criança e, através de uma chamada para o 112, serão acionados os mecanismos necessários de comunicação com as forças de segurança, que enviarão para o local do desaparecimento da criança uma patrulha policial.