Revista Veduta apresentada no dia 13 de dezembro na Casa da Memória

  • Publicado em Cultura
Publicação da Oficina

A Casa da Memória recebe no dia 13 de dezembro a apresentação da revista Veduta a partir das 17 horas.

Guimarães, cidade com uma história milenar e detentora de um património de caráter universal, distingue-se pela forma como soube preservar tanto o seu legado monumental como o imaterial, fruto das decisões de uma comunidade ativa que se apercebeu a tempo das mudanças de consciência que se operaram em torno das questões patrimoniais no decorrer do século passado. Neste dia de celebração do passado vimaranense, chama-se o tema à conversa, partilham-se trabalhos em curso e revisita-se património em estudo. 

A Veduta, uma publicação da Oficina dedicada ao património cultural, editada desde 2007, e lançada, anualmente a 13 de dezembro, será um dos motivos para este encontro, assim como a investigação que a régie-cooperativa está a levar a cabo, com o objetivo de atualizar o Caderno de Especificações do Bordado de Guimarães, produção artesanal local certificada desde 2010.

17h00

Bordado de Guimarães

Apresentação da revisão do caderno de especificações para a certificação

No ano de 2006 foi elaborado pela Oficina e pelo Museu Alberto Sampaio o caderno de especificações para a certificação do bordado de Guimarães, documento que esteve na base da atribuição da IG - Indicação Geográfica 'Bordado de Guimarães?' e que tem servido de instrumento regulador para implementação do processo de certificação do Bordado de Guimarães atualmente em curso. Entretanto, tem vindo a ser constatado que, após 10 anos do início do processo, o referido documento necessita de revisão no sentido de melhor se adaptar às realidades constatadas no território e de contemplar algumas correções e melhoramentos que a prática e o conhecimento mais apurado da situação têm vindo a exigir. 

Mais concretamente ir-se-á proceder à validação e correção da informação de enquadramento histórico-geográfico da produção; à definição de uma área de delimitação geográfica mais abrangente tendo em conta a realidade efetiva da produção atual; à revisão dos pontos utilizados pelo bordado de Guimarães e correção de nomenclaturas; ao melhoramento gráfico e aumento de exemplos de composições/motivos no sentido de permitir acesso a bons exemplares, a pontos e composições caídas em desuso e a novas composições; à reflexão sobre possibilidade de outras formas de inovação que valorizem e não descaracterizem o Bordado de Guimarães.

18h30

Veduta nº 11

PATRIMÓNIO, distinguido, partilhado e revisitado

Apresentação da Veduta, uma publicação da Oficina dedicada ao património cultural, editada desde 2007.