Guimarães assume presidência do Conselho Executivo da Associação Quadrilátero

  • Publicado em Atualidade
Em 2018

O Município de Guimarães volta a assumir a presidência da Associação Quadrilátero, procedendo-se à rotatividade da liderança do Conselho Executivo, de acordo com os estatutos da associação. A reunião, que teve lugar em Barcelos, confirmou a aprovação por unanimidade do Relatório e Contas de 2017 e o Plano e Orçamento para 2018. Foi ainda deliberado a realização de um concurso público à elaboração de um Plano de Marketing Quadrilátero.

Domingos Bragança volta a liderar o Quadrilátero, tal como já tinha sucedido em 2014, na altura por comum acordo entre todas as entidades. "Esta associação tem uma importância vital para a coesão territorial e a prova disso mesmo é a participação dos seus representantes máximos nesta última reunião, comungando de uma estratégia única para o futuro da nossa região", salientou o presidente da autarquia de Guimarães, destacando o tema da "mobilidade" como a prioridade no plano de ação, através da captação e aproveitamento de fundos disponíveis. 

Para além da mobilidade, foram ainda debatidas as candidaturas relacionadas com de Sistemas de Informação em Tempo Real e Bilhética Integrada. No próximo dia 9 de março terá lugar, em Barcelos, um seminário, em colaboração com a AEDRL, sobre o Código dos Contratos Públicos. Nesta reunião, estiveram presentes os presidentes dos Municípios de Guimarães, Braga, Barcelos e Vila Nova de Famalicão, respetivamente, Domingos Bragança, Ricardo Rio, Miguel Costa Gomes e Paulo Cunha, bem como de António Marques, presidente da AIMinho e Braz Costa, diretor geral do CITEVE. 

O Quadrilátero é um projeto no âmbito da Associação de Municípios de Fins Específicos e um dos cinco projetos selecionados a nível nacional para implementar as "ações preparatórias" do programa "Política de Cidades Polis XXI", co-financiado pela Administração Central. É um projeto em ação nos municípios de Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães e tem, como entidades parceiras, a AIMinho, o CITEVE e a Universidade do Minho.